UFSC » Programa de Pós-Graduação em Cuidados Intensivos e Paliativos
Bem vindo à página ofical do Mestrado Profissional com ênfase em Cuidados Intensivos e Paliativos

PROCESSO SELETIVO NOVA TURMA – 2016 MPCIP
Publicado em 19/11/2015 às 10:21

Edital Processo Seletivo 2016 MPCIP

RETIFICAÇÕES Edital Processo Seletivo 2016 MPCIP

RETIFICAÇÕES 2 Edital Processo Seletivo 2016 MPCIP

Inscrições prorrogadas para até 22/12/2015 – 13:30h

Data da prova  e entrevista alterado: 2 e 3/02/2016

RETIFICAÇÕES 3 Edital Processo Seletivo 2016 MPCIP

Homologação das Inscrições Seleção 2016 MPCIP

Local da Prova: 02/02/2015: entre 8:00 e 9:00 – Sala de Aula da  6º fase da Graduação,3º andar o Bloco Didático Pedagógico, Hospital Universitário- UFSC

Cronograma Entrevista Seleção MPCIP 2016

Resultado Parcial Seleção MPCIP 2016

Resultado Final Seleção MPCIP 2016

Informamos que todos os candidatos constantes no Resultado Final atingiram as condições necessárias para a aprovação no Processo Seletivo MPCIP 2016.

PROCESSO SELETIVO NOVA TURMA – 2015 MPCIP
Publicado em 05/11/2014 às 16:37

Edital Processo Seletivo para nova turma 2015 MPCIP

RETIFICAÇÕES Edital Processo Seletivo para nova turma 2015 MPCIP

RETIFICAÇÕES 2 Edital Processo Seletivo para nova turma 2015 MPCIP

RELAÇÃO DE CANDIDATOS POR DIA DE SELEÇÃO – EDITAL 2014 – TURMA 2015

Relação de Candidatos Aprovados

Classificação dos Candidatos

Resultado Final Após Recursos – Processo Seletivo para nova turma 2015 MPCIPEdital Processo Seletivo para nova turma 2015 MPCIP

 

PROCESSO SELETIVO NOVA TURMA – 2014 MPCIP
Publicado em 20/11/2013 às 7:49

Edital Processo Seletivo para nova turma 2014 MPCIP.

RETIFICAÇÕES-Edital-Processo-Seletivo-para-nova-turma-2014-MPCIP

RESULTADO PROCESSO SELETIVO – TURMA 2014

Segue os nomes dos aprovados em ordem alfabética:

Bruna Luiza Wunderlich

Bruno Cesar Honório de Albuquerque

Camila Broering de Patta

Carina Gabriela Correa

Débora Tonon

Emilia Tiemi Oshiro Bansho

Gabriel Hahn Monteiro Lufchitz

Iracino José Miranda Junior

João Paulo de Oliveira Branco Martins

Joyce Lisboa Freitas

Lorena Côrtes Santello Boettcher

Patrícia Grazziotin

Vinícius Dallagasperina Pedro

Proposta do Programa
Publicado em 28/01/2013 às 20:49

No mundo ocidental moderno, a medicina tem sofrido inúmeros desafios, tem sido crescente a necessidade da mudança de paradigmas. Vida e morte são dois extremos que não podem ser dissociados. Como um corolário temos, de um lado o tratamento intensivo, que visa a recuperação da vida, mesmo que para tal exista algum grau de desconforto do paciente. Do outro lado está o cuidado paliativo, que visa a manutenção da qualidade de vida, enquanto houver vida, sem o prolongamento do morrer. Embora esses tratamentos possam ser considerados antagônicos, deve-se buscar sua intersecção. Não se pode lutar pela vida sem a busca da qualidade da vida.

A modernidade encara a morte como uma prova de fracasso. Em 1993, foi descrito no jornal The New York Times: ” Quando a morte era considerada um evento metafísico, exibia certo tipo de respeito. Hoje, que o processo se prolonga enormemente, é vista como prova de fracasso. Num sentido bastante novo em nossa cultura, ficamos envergonhados da morte e procuramos nos esconder dela”. Por outro lado, Rubem Alves escreveu: ” Houve um tempo em que nosso poder ante a morte era muito pequeno e, por isso, os homens e as mulheres dedicavam-se a ouvir sua voz e podiam tornar-se sábios na arte de viver. Hoje, nosso poder aumentou, a morte foi definida como inimiga a ser derrotada, fomos possuídos pela fantasia onipotente de nos livrarmos de seu toque. Com isso nos tornamos surdos às lições que ela pode nos ensinar”.

Inevitavelmente, cada vida humana chega ao seu fim. Assegurar que a morte ocorra de forma digna, com cuidados adequados e buscando-se o menor sofrimento possível, é missão daqueles que assistem aos pacientes portadores de enfermidades terminais.  Segundo José Eduardo Siqueira, a pergunta que se impõe aos médicos é sobre o que ocorreu com a prática médica no cenário da modernidade. O modelo cartesiano-flexeneriano, matriz da formação médica atual, introduziu práticas na atenção à saúde que resultaram em dramáticas mudanças no relacionamento médico-paciente. O extraordinário avanço técnico-científico aliado ao uso acrítico de métodos de semiologia armada descaracterizou a medicina como arte, levando o profissional a distanciar-se das dimensões biográficas das pessoas enfermas. Surge então, no século XXI,  uma busca de sensato equilíbrio na relação médico-paciente e, mais especificamente no balanceamento da prescrição de tratamento curativo restaurativo versus tratamento paliativo.

Tendo em vista que os cuidados paliativos visam o controle de qualquer sintoma que cause sofrimento, buscando dar ao doente e seus familiares a melhor qualidade de vida possível, pode-se afirmar que a  paliação é indicada para qualquer paciente que convive ou está em risco de desenvolver uma doença que ameaça a vida, independente do diagnóstico, prognóstico ou idade, podendo complementar a até melhorar o tratamento modificador da doença.  Portanto, tratamentos restaurativos/curativos podem e devem caminhar juntos dos cuidados paliativos. Torna-se importante que os profissionais da saúde saibam como fornecer o melhor tratamento ao seu paciente, reconheçam a importância do trabalho inter e multiprofissional e  possam quebrar o paradigma da cura como  função primordial da medicina. O médico deve estar treinado tanto para  Curar como para Paliar.  Tendo em vista o relatado, propôs-se o Mestrado Profissional associado à Residência Médica em Cuidados Intensivos e Paliativos.

Objetivo primário: formar profissionais com uma visão  paliativista, em todas as fases de atenção ao doente, e com treinamento para o tratamento inicial de pacientes críticos.

Objetivos secundários:

- Qualificar os mestrandos ao exercício de pesquisa científica, da docência e da assistência;

- Treinar, do ponto de vista técnico, o mestrando, para a implantação de cuidados paliativos nas diferentes especialidades médicas;

- Capacitar o mestrando para o atendimento emergencial de pacientes críticos.

PROCESSO SELETIVO PARA NOVA TURMA 2013
Publicado em 22/11/2012 às 15:49

Para visualizar o Edital e efetuar sua inscrição clique no link abaixo:

Edital Processo Seletivo para nova turma 2013 MPCIP com retificações

RETIFICAÇÕES Edital Processo Seletivo para nova turma 2013 MPCIP

 

ATENÇÃO PARA NOVA DATA DA AVALIAÇÃO CONFORME ALTERAÇÃO NO EDITAL: 

2.3-Data da seleção: 13 de dezembro de 2012, às 08h00min, na sala de aula da UTI- Hospital Universitário – HU. 

 

Para realizar usa inscrição clique no link abaixo

http://capg.sistemas.ufsc.br/inscricao/index.xhtml?cdCurso=41010035

 

Resultado Processo Seletivo MPCIP 2013.

 

PARA MAIS INFORMAÇÕES:

Secretário: Fábio Campos
Fone: 48 3721-4164
E-mail: fabio.campos@ufsc.br

PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL ASSOCIADO À RESIDÊNCIA MÉDICA EM CUIDADOS INTENSIVOS E PALIATIVOS
Publicado em 06/02/2012 às 20:31

 

 PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL ASSOCIADO À RESIDÊNCIA MÉDICA EM CUIDADOS INTENSIVOS E PALIATIVOS

Área de Conhecimento – Medicina

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

1. Cuidados Intensivos do Adulto

2. Cuidados Paliativos

 

Coordenador do Programa: Rachel Duarte Moritz

E-mail Institucional: rachel@hu.ufsc.br

 Introdução

Tendo em vista a necessidade do treinamento em serviço, associado à adequada formação científica e a iniciação a pesquisa, com preparo de futuros tutores, propôs-se a implantação do Mestrado Profissional em Medicina no HU/UFSC, com áreas de atuação em Cuidados Intensivos e Paliativos.

O envelhecimento da população; o aumento da sobrevida de pacientes com enfermidades crônico-degenerativas; o aperfeiçoamento tecnológico que permite não só a recuperação de pacientes criticamente enfermos mais também o prolongamento do morrer; a falta de vagas para cuidados intensivos no país e a carência de profissionais treinados para Cuidados Intensivos e Paliativos justificaram essa solicitação.

Como um corolário, a formação de profissionais com excelência técnica e com preparo para a pesquisa e para a implantação de novas tecnologias acarretará em uma melhoria da saúde a nível regional, e possivelmente nacional.

Esse programa foi idealizado para atingir como público alvo o de médicos residentes do HU/UFSC, que tenham cumprido pelo menos 2 anos de RM em áreas básicas.

Objetivo Geral do Programa

Visa a melhor formação técnica do jovem médico, com abrangências nos cuidados ao paciente gravemente enfermo e ao paciente vítima de doença terminal. 

Visa também o estímulo a pesquisa, a disseminação de conhecimento e a implantação de melhorias no atendimento da saúde da população, com formação de possíveis tutores.

Área de Concentração:

Cuidados Intensivos – Tem o objetivo o incentivo a pesquisa e a otimização da formação técnico assistencial do jovem médico no que concerne ao atendimento do paciente crítico.

Cuidados Paliativos – Objetiva a quebra de paradigmas no tratamento do  paciente com doença terminal, incentivando o trabalho multiprofissional, o atendimento que enfoque principalmente a qualidade da vida do paciente, o aperfeiçoamento de técnicas de comunicação e a pesquisa nas áreas afim.

Ao completar o curso o mestrando profissional deverá ser capaz de praticar habilidades técnicas e compreender as complexidades da prática da medicina e da pesquisa associada ao ensino na área dos cuidados intensivos e paliativos, percebendo com clareza que isto envolve ética, integridade, análise crítica, habilidade para comunicação, compreensão dos sistemas de saúde e colaboração multiprofissional.

Descrição sintética do esquema de oferta do curso

 O Programa de Mestrado Profissional Associado à Residência Médica em Cuidados Intensivos e Paliativos está estruturado como um curso teórico-prático com duração total no máximo de 18 meses, sendo 12 meses em associação com a RM, podendo haver uma prorrogação de 6 meses até a defesa da dissertação, que constará de um artigo a ser publicado em revista da especialidade afim.

Poderão ser candidatos ao programa os médicos residentes do HU/UFSC que já  tenham cumprido 2 anos de Residência Médica e que estejam matriculados em outro programa de Residência Médica do HU.

O mestrado profissional será desenvolvido num período obrigatóprio de 12 meses associado com o programa da RM e num opcional período de 6 meses, de forma complementar, onde o mestrando estará finalizando o seu trabalho de conclusão de mestrado profissional. As disciplinas teóricas do mestrado, ocorrerão durante o período de formação. 

 Até o final de 18 meses, os alunos devem apresentar o trabalho de conclusão do mestrado profissional o qual poderá envolver; a apresentação de um projeto técnico, a preparação de um artigo científico baseado nos dados coletados durante o curso ou em revisão sistemática da literatura ou em discussão de casos ou em intervenção de procedimentos clínicos.

O artigo deverá ser apresentado e defendido em sessão pública, nos termos da Portaria normativa no.7 de 22 de junho de 2009 (publicada no diário oficial em 23/06/09), respaldada pela resolução N° 05/CUN/2010 e pelo regimento interno do Mestrado Profissional Associado a Residência Médica em Cuidados Intensivos e Paliativos. A Banca examinadora será composta pelo orientador e tres professores.

  • Administradores do Site
  • 1960 - 2015 - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) | Central Telefônica - (48) 3721-9000 |
  • Última atualização do site foi em 17 de março 2016 - 13:19:48
SeTIC
Páginas UFSC